Conselheiro Arthur Cunha Lima preside comissão da Atricon para validar itens de autoavaliação do TCE-GO

O conselheiro Arthur Cunha Lima, entre os dias 9 e 11 de outubro, preside  a comissão de representantes da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon) para avaliar as atividades do Tribunal de Contas do Estado de Goiás (TCE-GO). A comissão vai verificar os itens do Questionário de Autoavaliação respondido pelo TCE-GO.

A comissão é composta pelos conselheiros Arthur Paredes Cunha Lima (TCE-PB) e Itacir Todero (TCE-CE), e pelo auditor José Luciano de Souza Andrade (TCE-PB). O grupo começou os trabalhos na manhã desta segunda- feira (09), visitando o gabinete da presidência, a Secretaria de Controle Externo e o Instituto Leopoldo de Bulhões. A conselheira do TCE-GO Carla Santillo, a diretora de Planejamento Gleice de Mello Prates e os secretários Administrativo e de Controle Externo Cássio Rezende e Adriana Moraes acompanharam os membros da comissão.

Após a visita, Arthur Cunha Lima elogiou a corte. “ Notamos que o TCE-GO está avançando e que a equipe está comprometida com o constante aprimoramento”, disse.

Depois, o grupo se reuniu para analisar as evidências elencadas pelo Tribunal, sendo que os primeiros itens em cheque são relativos à Secretaria de Controle Externo.

A vistoria em curso faz parte do Marco de Medição do Desempenho dos Tribunais de Contas (MMD-TC), índice estabelecido pela Atricon no intuito de fortalecer o sistema nacional de controle externo e contribuir para que os TCs atuem de maneira harmônica e uniforme, aprimorando a qualidade e agilidade das auditorias e dos julgamentos. O objetivo é valorizar o controle social e oferecer serviços de excelência a partir de um padrão de fácil verificação e confirmação. A ferramenta é parte do Projeto Qualidade e Agilidade dos Tribunais de Contas (QATC) e viabiliza medir o desempenho dos TCs comparativamente às boas práticas internacionais e diretrizes estabelecidas pela Atricon.

 

 

AscomTCE-PB com informações do Assessoria do TCE-GO

(09/10/2017)

Compartilhe: