Fórum de Ouvidorias volta a reunir bom público no período da tarde

_BFS7090

Palestras de emissários da Controladoria e da Ouvidoria Geral da União e, ainda, do Fórum das Mulheres de Negócios deram sequência, na tarde desta quinta-feira (22), ao II Encontro Paraibano de Ouvidorias, evento realizado no Auditório Celso Furtado, do Centro Cultural Ariano Suassuna, pertencente ao Tribunal de Contas da Paraíba.

O representante da CGU, Rodrigo Paiva, abriu a programação vespertina com palestra sobre “a Lei do Acesso à Informação e a atuação das Ouvidorias” para uma plateia formada por gente oriunda de organismos públicos e privados. O representante da Ouvidoria Geral da União, Paulo André Caminha, tratou, em seguida, das “Abordagens de medição nas atividades de Ouvidoria”.

“As ouvidorias como uma visão empreendedora” foi o tema da palestra proferida pela representante do Fórum das Mulheres de Negócio Israella Ramalho, a última do encontro iniciado na parte da manhã.

Os expositores discutiram questões relacionadas às Leis da Transparência e do Acesso à Informação, aos canais de comunicação entre a gestão pública e o cidadão, ao formato e à linguagem daquilo que deve ser levado ao conhecimento público, recomendando, porém, que sejam de fácil entendimento.

Advinda, em sua maior parte, de Prefeituras e Câmaras de Vereadores, a plateia ouviu o relato de experiências passadas e atuais relacionadas ao processo de implantação das ouvidorias, além de orientações para o bom funcionamento desses canais de relacionamento com a população. Rodrigo Paiva lastimou que ainda subsista, em certos casos, “a cultura do sigilo”. Observou, também, que a interação dos entes públicos e a sociedade, por meio dos portais da transparência, torna-se melhor e mais efetiva onde já existam as Ouvidorias.

A plateia também foi lembrada de que o Serviço de Informação ao Cidadão (SIC), dever que a lei confere aos Poderes Públicos, não implica a criação de setores novos, mas, sim, de novas funções.

No Centro Cultural Ariano Suassuna, mesas com atendentes, folders e cartazes revelavam a amplitude dos organismos interessados na participação e no êxito do II Encontro Paraibano de Ouvidorias. Era o caso, por exemplo, de exposições da CGU, do Instituto de Metrologia e Qualidade Industrial (Imeq-PB), do Hospital de Traumas Humberto Lucena, da Faculdade Internacional da Paraíba e das Faculdades de Enfermagem e Medicina Nova Esperança.

Ascom/TCE-PB
22/10/2015

Compartilhe: