TCE inaugura o Centro Cultural Ariano Suassuna

IMG_81224032323199IMG_81256592031923

O Tribunal de Contas da Paraíba inaugurou, na tarde desta sexta-feira (19), o Centro Cultural Ariano Suassuna, uma edificação de 6 mil metros quadrados, ao custo final de R$ 9,2 milhões, contendo Auditório com 420 cadeiras, dependências para a Escola de Contas Conselheiro Otacílio Silveira (Ecosil) e a Biblioteca Otávio de Sá Leitão.
Tudo isso assenta-se sobre um Edifício-Garagem com dois pavimentos e capacidade para 170 veículos. Um Distrito Integrado de Segurança, então acrescido, anexa ao projeto uma Delegacia da Polícia Civil, um Posto da Polícia Militar e outro do Corpo de Bombeiros, empreendimentos em favor da comunidade.
“Não nos descuidamos, em momento algum, do rigor e da eficiência na aplicação dos recursos para tanto alocados no nosso orçamento”, observou o presidente do TCE, conselheiro Fábio Nogueira. O que ele disse pode ser constatado no valor de R$ 1.090,70 por metro quadrado, cifra obtida da divisão da área total pelo dinheiro nela investido.
O mobiliário do novo anexo do TCE resultou de pregões presenciais amplamente difundidos. Além disso, todos os procedimentos referentes à construção e instalação (pagamentos, planilhas e fotografias das medições, termos aditivos e registros outros) compõem arquivos eletrônicos dispostos à consulta pública no link “Acompanhamento da Obra”, na página eletrônica do Tribunal.
Três das mais elevadas expressões dos meios acadêmicos – os paraibanos Ariano Suassuna, Celso Furtado e Lynaldo Cavalcanti – emprestam seus nomes à obra também disposta pelo Tribunal de Contas do Estado à discussão e promoção dos grandes temas da economia, da ciência e da cultura. As escolhas dos nomes de Ariano para o Centro Cultural do TCE, de Celso para seu Auditório e de Lynaldo para o Salão de Exposições oficializaram-se com a Resolução Administrativa TC 06/2014, unanimemente aprovada na 2006ª Sessão Ordinária do Tribunal ocorrida em 8 de outubro deste ano.
Centro Cultural Ariano Suassuna nasce de convênio com a UEPB
A Universidade Estadual da Paraíba cuida da programação de eventos para o Centro Cultural Ariano Suassuna. E não apenas isso: também está encarregada de supervisionar a montagem e execução de projetos artísticos e culturais dos quais é a sociedade paraibana a grande beneficiária.
Os termos dessa parceria estão definidos, formalmente, em convênio então celebrado pelo conselheiro Fábio Nogueira e pelo reitor da UEPB, professor Antonio Guedes Rangel Júnior. Trata-se de dispositivo amparado pela Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.
Espetáculos musicais e teatrais úteis à formação cultural dos diversos segmentos da sociedade e, notadamente, do público estudantil, lançamentos literários, exposições de artes plásticas, ou discussões de temas vinculados à história, ao folclore e à identidade da Paraíba e sua gente, tudo isso foi objeto do acordo que tem vigência de dois anos.
Além de oferecer as condições físicas para que a difusão das artes e da cultura tenha, aqui, um dos seus espaços mais proveitosos, confortáveis e amplos, o TCE ainda se faz representar num Conselho de Cultura responsável pela programação de todos os eventos e constituído pelos conselheiros Arnóbio Viana e Flávio Sátyro (aposentado), pelo conselheiro substituto Marcos Costa, pela procuradora Sheyla Barreto Braga de Queiroz e pelo professor Francisco Pereira.

Presidente do TCE ressalta o desejo de bem servir

Em rápido pronunciamento, quando da entrega do Centro Cultural Ariano Suassuna, o conselheiro Fábio Nogueira ressaltou que esta foi uma obra concebida pelo desejo de bem servir, “pois está disposta ao conjunto da sociedade como Escola de Contas para a capacitação de quadros técnicos e gestores públicos, como espaço para biblioteca e simpósios úteis à discussão de normas e procedimentos do controle externo e como área ampla e livre para as manifestações da história, das artes e da cultura”.
“O Tribunal que a realizou com recursos orçamentários próprios e, portanto do Tesouro Público, assim o fez, em boa hora, com a exata percepção de que não basta atuar na defesa do dinheiro e do patrimônio do povo. Entendeu que precisava superar os limites de suas funções institucionais e contribuir, também, do melhor modo, com o processo de aprimoramento cultural dos paraibanos”, disse.
Lembrou, então, que a camada mais desassistida da sociedade, sobretudo ela, terá no Centro Cultural Ariano Suassuna, “o palco gracioso para as obras teatrais, para as exposições literárias, ou para as criações do folclore e do artesanato”. E concluiu: “Penosamente, são coisas que sabidas circunstâncias têm sonegado aos mais carentes”, concluiu.
A solenidade de inauguração do Centro Cultural do TCE conteve bênção ecumênica ministrada pelo arcebispo Dom Aldo Pagotto e pelo pastor Estevam Fernandes, assinatura do convênio de gestão com a Universidade Estadual, posse dos membros do Conselho de Cultura e homenagens a personalidades, em nome das quais se pronunciou o presidente do Tribunal de Contas da União, ministro Augusto Nardes. Houve, ainda, apresentações do Coral do TCE, da Orquestra Infantil da Paraíba, do Quarteto Romançal do Recife, do Ballet Clássico da UEPB e do ator paraibano Luiz Carlos Vasconcelos, que declamou poemas e textos de Ariano Suassuna.
Presenciaram a solenidade representantes dos três Poderes, dos meios culturais e jurídicos do Estado, dona Zélia Suassuna (a viúva de Ariano, acompanhada por filhos e outros parentes), os conselheiros do Tribunal de Contas de Minas Gerais (Sebastião Elvécio e Wanderley Ávila), membros e servidores do TC paraibano, em meio a grande público.

Compartilhe: