TCE é palco para o debate da Revolução de 1930

A Revolução de 1930 vai ser debatida no Plenário Ministro João Agripino Filho, do Tribunal de Contas do Estado, nesta sexta-feira (5), às 10 horas, por dois estudiosos do assunto.

Um deles, o advogado Carlos Pessoa de Aquino, como o nome indica, guarda parentesco com o ex-presidente João Pessoa, personagem que demarcou um dos mais incisivos capítulos da história política do País e da Paraíba. O outro, o também advogado José Caitano Oliveira, escreveu o livro “A Saga de 1930 e o Doido da Paraíba”.

A apresentação do tema, sob duas percepções totalmente opostas, as de perrepistas e liberais, decorrerá do primeiro encontro da Série de Debates “Duas Versões” a ser então inaugurada pela Escola de Contas Conselheiro Otacílio Silveira (Ecosil), órgão do TCE coordenado pelo conselheiro Arnóbio Viana.

“O propósito é trazer à reflexão de todos nós este e outros fatos de grande importância para a cultura e a história da Paraíba”, explica o coordenador da Ecosil. Ele mediará o debate destinado não apenas a servidores, membros e jurisdicionados do TCE, mas, ainda, a todo o conjunto da sociedade.

O presidente do Tribunal, conselheiro Fábio Nogueira, entende, também, que a iniciativa favorece a disseminação de conhecimentos indispensáveis, sobretudo, à formação cultural da juventude.

OS DEBATEDORES – Professor da Universidade Federal da Paraíba, membro da Ordem dos Advogados, do Instituto dos Advogados do Brasil e do Instituto Luso-Brasileiro de Direito Comparado, Carlos Aquino tem vasta contribuição aos meios educacionais, jurídicos e culturais do Estado. Dono de uma mente ágil e um leque amplo de conhecimentos ele costuma prender seus ouvintes com um discurso fluido e envolvente.

Natural de Cajazeiras, professor de Organização Social e Política na década de 1970 e advogado da Federação dos Bancários do Estado, José Caitano de Oliveira é autor, ainda, da obra “Maçonaria e Exoterismo”, do livro infantil “Caitanurbe” e dos romances “De Liberdade Não se Morre” e “O Pastor e o Verbo”.

A ECOSIL – A Escola de Contas Conselheiro Otacílio Silveira foi criada em 2011 para a qualificação de gestores e quadros funcionais do próprio TCE e de organismos estaduais e municipais.

Sua atividade compreende a realização de exposições técnicas e seminários com temas vinculados à legislação, à administração e à contabilidade públicas. Convênios com Universidades paraibanas permitem à Ecosil, além do mais, a oferta gratuita de cursos de graduação e pós-graduação para servidores do TCE e de entes sob sua jurisdição. Com os debates da Série “Duas Versões”, a Ecosil acresce um propósito novo: a discussão ocasional de temas de grande interesse da sociedade.

Ascom TCE-PB // Frutuoso Chaves

2 de dezembro de 2014.

Compartilhe: