Depois de visitar Centro Cultural, jornalista manifesta opinião em artigo no Jornal da Paraíba

Artigo de Laerte Cerqueira, publicado na edição de 14 de dezembro de 2014 do Jornal da Paraíba.

Espaço para cultura

O bairro de Jaguaribe, que já foi berço das manifestações culturais da capital, vai ganhar um espaço para as atividades artísticas. O Centro Cultural Ariano Suassuna, construído pelo Tribunal de Contas do Estado, recolocará aquela área da cidade na programação da agenda cultural. O belíssimo prédio, que fica ao lado da Corte, terá uma escultura do pássaro acauã, na entrada principal, e dentro, um auditório, com estrutura para receber espetáculos de teatro e capacidade para 420 lugares; um salão de exposições e uma biblioteca pública, além de salas para Escola de Contas. São dois pavimentos para estacionamento, com capacidade para 170 veículos. De quebra, será entregue um prédio para instalação de um Distrito Integrado de Segurança Pública, que abrigará Delegacia de Polícia Civil, Posto da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar.

A iniciativa faz parte da política de responsabilidade social defendida pelo presidente do TCE, conselheiro Fábio Nogueira. Diante das resistências, teve que mostrar que não há órgão, entidade ou instituição pública que não seja responsável pela criação de instrumentos, ferramentas e ambientes para multiplicação do conhecimento, da cultura e da arte. Conseguiu mudar pensamentos. O investimento foi de cerca de R$ 8 milhões. Além de Ariano Suassuana, serão homenageados os paraibanos Celso Furtado, que dará nome ao auditório, e Lynaldo Cavalcanti, que dará nome ao salão de exposições. A biblioteca se chamará Otávio de Sá Leitão e a Escola de Contas, Otacílio Silveira.

A gestão do Centro Cultural Ariano Suassuna será compartilhada entre o TCE e a Universidade Estadual da Paraíba, que cuidará da programação dos eventos, supervisão da montagem e execução de projetos artísticos e culturais. Convênio foi celebrado pelo presidente, conselheiro Fábio Nogueira, e pelo reitor da UEPB, professor Rangel Júnior. O espaço impressiona porque se vê zelo na construção, cuidado com acabamento, com os detalhes da iluminação e qualidade dos equipamentos que estarão disponíveis aos artistas e à população da cidade. A primeira exposição do Centro será com um acervo da família de Ariano.

O prédio será entregue pelo conselheiro Fábio Nogueira, na próxima sexta-feira. Um dos últimos atos como presidente da Corte, visto que, em janeiro, assume o comando do TCE, o conselheiro Umberto Porto. Nogueira, que desde as primeiras ações, à frente da Casa de Contas, luta pela transparência total dos gastos públicos, em todas as esferas, também marca sua passagem pela presidência do TCE mostrando que na dureza das contas, cabe a leveza da arte. E, entre elas, vive o conhecimento. Fonte da mudança e da transformação social.

Compartilhe: